segunda-feira, 17 de outubro de 2016

O TÉDIO


(12/10/16
  
Quem já não sentiu tédio alguma vez em sua vida?
Gostei do conselho do Cônego Celso Pedro, num comentário da agenda bíblica dete ano: “Não tem o que fazer? Reze! Não sabe o que rezar? Reze o Pai-nosso”!
Quantas vezes, para passar o tédio, caímos em vícios ou comemosmuito, ou fazemos coisas absolutamente inúteis!
O Beato Carlos de Foucauld diz, sobre isso:
“O Senhor pedirá contas, no dia do Juízo, de toda palavra inútil, não somente das palavras inúteis ditas aos outros, mas também das palavras inúteis ditas a nós mesmos. Para que serve a solidão, se nós nela passamos nosso tempo, não para nos entreter com Deus, mas para ter conosco mesmos longos colóquios sobre coisas inúteis, mundanas, às vezes até más”? (do dia 17 de dezembro, do livrinho “Pensamentos do dia a dia”).
É preciso encontrarmos coisas úteis para fazer no dia a dia, sempre procurando ter nossa mente em Deus em tudo o que fizermos.
A leitura ajuda, mas não há nada melhor para tirar o tédio do que fazer algum trabalho manual, seja com a terra (horta, jardinagem), seja crochê ou tricô, pequena marcenaria, decoração, limpeza da casa etc.
Uma boa caminhada diária também é muito importante!
É... vamos procurar eliminar o ócio de nossa vida, para não cairmos em momentos de tédio. Vale a pena viver, mas numa vida dedicada a Deus e ao próximo. Não tem o que fazer? Enjoou de ler? Reze o Rosário!

domingo, 16 de outubro de 2016

AS NOVELAS E AFINS


(out. 2016)

Não quero deixar passar em branco este assunto. Muitas novelas e programas do gênero estão batendo todos os recordes de imoralidade e propaganda de doutrinas anticristãs, como a doutrina da reencarnação.
A relação sexual foi banalizada a tal ponto como nunca antes na humanidade, nem nos tempos das orgias imperiais romanas”
Li um comentário sobre uma dessas novelas, referindo-se à maneia imbecil com que a mãe de uma garota parabeniza-a por ter perdido a virgindade com seu namorado. E o preceito de guardar a virgindade intacta até o casamento? Não tem mais valor?
O problema sério é que as pessoas mais jovens mentalizam a imoralidade como se fosse coisa moral. Não se colocam o problema do pecado, do mal que um relacionamento íntimo pode fazer na vida da pessoa, se não for baseado numa estrutura mais sólida, como o casamento, e mesmo às atitudes que as levam à infelicidade. Ninguém é feliz sem Deus. Ficar atado ao pecado é o caminho mais curto para ficar sem Deus. Não podemos servir a dois senhores: ou servimos a Deus ou ao pecado. Não há meio termo.
Outras doutrinas errôneas de certas novelas são as que levam as pessoas a idolatrar o dinheiro, como se fosse o triunfo da felicidade. As pessoas pobres são mostradas, muitas vezes, como infelizes e problemáticas, ou simplesmente não se fala delas, porque “não dá Ibope”. Para ser feliz, acham que devem casar-se com alguém rico.
Raras vezes vimos pessoas ricas aceitarem um nível mais simples de vida para encontrarem a felicidade. É sempre ao contrário que funciona o “mecanismo” das novelas.
Os casamentos são mostrados banalizados e fora da realidade. Só para dar um exemplo, há muitas décadas que o padre não pergunta mais:” Quem tiver algo contra...” Isso é feito nos proclamas, semanas antes do casamento.
      Numa das últimas novelas, o noivo foi trocado na hora do casamento. Não existe isso!
      A pregação da reencarnação, em muitas novelas, levam muitos a acreditar nisso, apesar de serem cristãos. O cristão não acredita na reencarnação. Hebreus 9,27, diz que só vivemos uma vez aqui na terra, após o que vem o julgamento.
Em outra emissora eles inventam tantas coisas para ter assunto para fazer suas novelas bíblicas, que as pessoas que não leem a bíblia ficam com uma imagem errônea do que viram. Essa emissora é de uma religião que se diz cristã, mas aprova o aborto em menores estupradas. Jesus nunca aprovaria isso! Como podem dizer que seguem Jesus se mandam às favas um de seus maiores mandamentos, que é amar o próximo (no caso a criança que está sendo gerada e não tem culpa de ser produto de uma violência!).
Amigos (as), já é hora de começarmos a mudar nossa programação televisiva para não nos tornarmos “vômito de Deus”, como diz Apocalipse 3,20: A pessoa que é morna, não é fria nem quente, “vou vomitar da minha boca”.

Mas, antes de mudarmos nossa programação na tevê, que tal pedirmos perdão pelas idiotices que já assistimos até agora?

POR QUE RESMUNGAR?


(set. 2016).

Muitas pessoas resmungam o tempo todo de coisas adversas que ocorrem ao seu redor. Reclamam de tudo e de todos!
Nestes dias, ao queixar-me de algumas coisas ruins que me aconteceram, passei algum tempo refletindo sobre o assunto.
Comecei lembrando-me dos doentes, os que não se podem locomover, os analfabetos, os excluídos, os que não se conseguem fazer entender ou não entendem o que se passa ao redor, e percebi o quão “light” está a minha vida!’ Eu “choro de barriga cheia”, como diz o ditado.
Pedi a Deus perdão desses meus choramingos e lhe agradeci por tudo, até pelas contrariedades  que encontro pela frente, e me empenhei em aprender a viver o aqui e o agora, ir vivendo como as coisas forem ocorrendo, e procurar ser feliz ou pelo menos viver em paz, apesar dos problemas.
Deus nos ama com um amor eterno, diz Jeremias 31,3, e não vai nos permitir o que possa nos privar da vida eterna. Isso é o bem para Deus; que estejamos um dia no céu. Tudo o que ele nos permite, se o permitimos entrar em nossa vida, é para o nosso próprio bem.
Nós costumamos pensar que “nosso bem” é tudo o que nos dá prazer nesta terra. Engano puro! Deus nos permite o “remédio amargo”, quando necessário, pois certas vezes é o único que funciona e “nos cura”. Leia Hebreus 12,4-10 e verá como Deus age! Como o pai castiga o filho para preservá-lo do mal, assim Deus nos permite o sofrimento “ a fim de nos transmitir sua santidade” (v. 10).

Vale a pena, pois, suportarmos nossas dificuldades “sem murmurações nem contendas” (Filipenses 2,14), e agradecermos a Deus pela oportunidade que nem os anjos têm, de oferecer-lhe algo que é nosso, como a paciência, a generosidade com que enfrentamos nossas lides diárias, “completando em nós o que falta à paixão de Cristo” (Colossenses 1,24).

sábado, 15 de outubro de 2016

VERDADES E MENTIRAS

(set. 2016)
 Pilatos perguntou a Jesus: “O que é a verdade”? (João 18,38). Mas não esperou a resposta. Em outra ocasião, Jesus disse: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida” (João 14,6).
Jesus é, portanto, a Verdade, a única verdade que existe. Pilatos não conseguiu ver nele  a Verdade, assim também como muitos outros daquele e de nosso tempo.
Mesmo que aceitemos Jesus  Cristo como Caminho, Verdade e Vida, resta-nos outra pergunta: Como segui-lo? Em que religião? Com quais atos?
Nascemos numa determinada sociedade, sob uma determinada “lista” de verdades e mentiras. O problema é que, ao crescermos, percebemos que a nossa verdade é mentira para outras pessoas e vice-versa! Aí nos perguntamos, como Pilatos a Jesus: “Afinal, onde está a verdade”?
Uma das coisas que logo percebemos são as mentiras que nossos pais nos fizeram acreditar e que fazemos nossos filhos acreditarem
- Ensinam-nos a chupar chupeta e depois dizem que não presta/1
-Que o Papai Noel existe e depois dizem que é mentira.
-Que a andorinha ou a fada do dente existe, e depois desmentem.
-Que fumar não faz bem para a saúde, mas muitos pais e mães fumam.
-Ensinamos aos nossos filhos muitas outras coisas que são mentiras ou que não cumprimos!
Os seminários missionários pintam de ouro a vida missionária, com poesias e lances maravilhosos, mas depois de padres ou consagrados os religiosos descobrem que os enganaram no seminário, que não é um trabalho para poetas, mas para corajosos desbravadores! Enfrentar as agruras da África e de outras terras de missão! Faça um teste: fique na Ilha Bela ou na Ilha do Cardoso um mês sem repelente, e depois me diga se as imagens vistas na tevê têm toda aquela maravilha que parecem ter. O que há de borrachudo, pernilongo e mutuca não é mole!
Vemos pessoas excelentes externamente, mas que de repente se mostram fingidas, hipócritas, maldosas por dentro. Como as aparências enganam!
Somos educados sob uma tempestade de mentiras. Onde está a verdade na História que aprendemos na escola? Se formos checar, o que sobra da verdade em tudo aquilo que nos contam? Não seria apenas o ponto de vista dos que escreveram aquela história? O Joaquim Silvério dos Reis era traidor para nós, mas um herói para os portugueses!
A Princesa Isabel foi destronada porque, um dos motivos, ela queria dar indenização para os negros, terrenos para eles viverem em liberdade. Você sabia disso? Pois eu soube recentemente! Pesquise que você vai ver essa história.
Verdades científicas irrefutáveis de antes, hoje são desmentidas escancaradamente. Paradigmas antigos são desmontados atualmente. O ovo passou de vilão a herói várias vezes, assim também como o café. Eu só sarei ou melhorei da labirintite depois que parei de tomar café, que é muito indicado, na televisão, para combater vários males. Para mim é como um veneno. E o jejum? Afinal faz bem ou não para a saúde? Quantas opiniões diversas!
Os testemunhas de Jeová dizem, pasmem vocês (eu vi isso numa revistinha deles) que ao anticristos são os que acreditam na divindade de Jesus. Como pode? Não é o contrário?
Nós, católicos, acreditamos na virgindade perpétua de Maria, e quase todas as outras religiões (exceto as ortodoxas e afins) não. Nós estamos certos, ou eles?
Se você já percebeu, eu estou levando você a repensar certas ideias  e alguns tópicos deste texto. Será que eu estou certo ou errado? Quem garante?
Vou dizer-lhes o que penso e no que acredito:
Eu acredito no que a Igreja Católica ensina e, mesmo que os outros não acreditem eu me comprometo a acreditar. Creio que a Igreja Católica, apesar de tantos desastres no passado, ensina verdadeiramente o que Jesus nos ensinou, provinda das comunidades primitivas do cristianismo. Sei que vou ser julgado pelo que segui ou não dos ensinamentos de Jesus ensinados pela Igreja Católica.

Ademais, é preciso nunca desanimar (essa palavra não existe no meu dicionário) em seguir a Jesus Cristo numa vida santificada. É aí que mora a verdadeira paz, a verdadeira felicidade. E ponto final.

NOSSO UNIVERSO

 (SET. 2016)
Estamos vivendo num imenso mistério. Na verdade, estamos dentro, no meio desse mistério: o universo. Quantas estrelas, planetas, galáxias completas existem? Por que existem? Para quê? Por que, afinal, alguém me diga, estamos aqui? Quem nos chamou à vida?

Os animais, os insetos, os vegetais, os micróbios, têm em si um sistema extraordinário de vida, com sofisticados processos de preservação da vida e da espécie.

Muitos deles nasceram simplesmente para morrer e servir de alimento aos demais. Que vida “besta”, diríamos. Passam a pouca vida que possuem fugindo dos predadores e, no tempinho que lhes sobra, propagam a espécie em sua descendência.

Agora são 15:55 hs. Levei dez longos minutos para escrever estas poucas linhas. É primavera, mas o dia está mais para inverno, e o serviço de meteorologia anuncia frio intenso para quinta-feira. As estações se sucedem e temos que nos adaptar a elas. Nós nos adaptamos com a inteligência; os animais nascem com mecanismos próprios para sua defesa.

Darwin diz que foi a natureza, no passar do séculos, que os dotaram dessas maravilhosas adaptações com que enfrentam as intempéries.

Nós nascemos totalmente dependentes dos outros. Nascemos, vivemos e morremos animais racionais sociais. “Homem algum é uma ilha”, livro de Thomas Merton, monge americano, baseado na frase de um outro autor. A gente se aproveita das intuições alheias e acrescentamos a elas as nossas intuições. É como um conjunto de roldanas e engrenagens.

Darwin tem razão, mas eu prefiro colocar Deus nessa história. Não exatamente como está na bíblia, mas como criador e mentor da evolução. Di o documento “Lumen Gentium” que, sem Deus, a criatura se reduz a nada! Sem Deus, somos nada! O mundo, o universo todo, é mantido pelo poder divino. Deus é partilha, é amor, é misericórdia.

As testemunhas de Jeová (tenho vários amigos desse grupo), os mórmons, os judeus, os maometanos, não acreditam na Santíssima Trindade, na divindade de Jesus. Que pena! Para eles, o Espírito Santo é apenas uma manifestação da mesma pessoa de Jeová.

A Trindade é a manifestação da comunhão eterna que existe entre as três pessoas divinas: o Pai, o Filho (Jesus Cristo) e o Espírito Santo. Um só Deus em três pessoas. Que união marcante há em Deus! “Pai, que todos sejam um como tu, ó Pai, o és em mim e eu em ti!” (João 12,21). E Jesus pede que sejamos  “um” com ele e com os demais seres humanos com a mesma unidade da Trindade!

Podemos afirmar, então, que Deus é uma pequena comunidade de três pessoas, adorada pelos anjos e depois por todos os santos, e, um dia, todos nós.

Se não conseguirmos viver em comunidade não herdaremos a vida eterna. Mesmo nós que somos eremitas devemos viver com e para os outros, sobretudo os doentes, os pobres, e os que sofrem qualquer tipo de necessidade (desde que não seja uma necessidade vinculada ao pecado, ao vício), sejam esses necessitados pobres ou ricos.

Você estranhou de eu falar de “necessitado rico”? Pois há muitos!” Pessoas doentes, abandonadas, dementes, solitárias, depressivas, que não podem ser atendidas pelas suas riquezas, são pessoas necessitadas.

É São Basílio Magno que insistiu muito sobre o valor da comunidade. Ele começou sua vida religiosa como eremita, mas logo percebeu o valor da comunidade como ambiente necessário para a prática do amor e de aconselhamento quanto aos nossos defeitos e problemas.

São Bento, anos mais tarde, chegou à mesma conclusão quando, aos 19 anos, isolou-se na vida anacorética (solitária). Logo cuidou de juntar-se a outros para uma vida cenobítica (comunitária).

O próprio universo é, de certa forma, comunitário. Um astro depende da força gravitacional dos outros para não “desembestar” pelo universo, sem rumo.

A harmonia do universo me faz “babar” de admiração. Deus nos criou neste universo visível para levar-nos ao universo invisível após a morte. E se eu lhe disser que o universo real é o invisível e o artificial é este?

Nós vivemos numa grande ilusão. Ilusão pura! As estrelas que vemos brilhar no céu, nas noites limpas, são as que lá estavam há milhões de anos, mas talvez nem existam mais! Pura ilusão de ótica! Só agora a sua luz chegou até nós, a luz que imitiram há milhões de anos!

A televisão... Sabia que não possui movimento algum? São fotos paradas, que se fixam por alguns segundos em nossa mente, e a sequência dessas fotos é que nos dão a sensação de movimento, em nosso cérebro, e não na realidade.

Outra ilusão: estique o seu dedo indicador e o balance: você vai ver vários dedos, mas é apenas um que você está movendo! Eu diria que estamos, na verdade, numa espécie de mundo virtual, que vai desaparecer algum dia e dar lugar a um outro, sem as necessárias ilusões deste mundo.

Disse Leibnitz que este é o único “modelo” de mundo que deu certo na mentalidade divina, ou seja, o que traz maiores benefícios com o menor número de problemas.

Deus se ofereceu para sanar esses problemas, pois ele tem poder para isso, mas os seres humanos não quiseram. Preferiram “virar-se” sozinhos, dispensaram a ajuda de Deus, e é a isso que chamamos “pecado original”.

Com a morte e a ressureição de Cristo, a salvação nos foi liberada e podemos, agora, aceitar essa ajuda divina. Não é mais como era para ser, mas Deus, em seu infinito e eterno amor (“Eu te amei com um amor eterno”!- Jeremias 31,3) e misericórdia, aceita ser nosso “parceiro invisível”, como se intitula um livro sobre Carlos de Foucauld.

Temos que passar alguns anos neste mundo irreal, gerar novos habitantes, e depois irmos para o mundo real, da eternidade feliz, o paraíso, que futuramente até poderá ser igual a este, mas eterno, real, e sem nenhum defeito, pois tudo será sanado e conduzido por Deus.

Haverá vida em outros planetas?

Não faço a mínima ideia. Mas, se houver, pode ser que eles vivam esse mundo planejado para nós por Deus e não tenham feito o pecado original, e seja um mundo maravilhoso, governado pelo próprio Deus!

Se isso fosse verdade, esses habitantes teriam muito mais força, Inteligência e sabedoria do que todos nós, muito mais do que Einstein e outros grandes sábios nossos.


Deus nos criou para entrarmos em comunhão com ele e quis que isso fosse opção nossa. Ele correu esse risco e pagou muito caro por isso: a morte de seu único Filho, Jesus, Deus como Ele e o Espírito Santo.

segunda-feira, 15 de agosto de 2016

SONHOS

"NUNCA DESISTA DOS SEUS SONHOS! SE ELE ACABOU NUMA PADARIA, PROCURE EM OUTRA"!
(Aparício Torelly)

segunda-feira, 9 de maio de 2016

NOVO BLOG

CONHEÇA O NOSSO NOVO BLOG DE ORAÇÕES EM MODELO NORMAL ECOS DA ERMIDA, MAIS FÁCIL DE ACESSAR QUE O AO LADO TEU